TJRN assina termo de cooperação com instituições para acelerar retirada de carros apreendidos

TJRN assina termo de cooperação com instituições para acelerar retirada de carros apreendidos

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte assinou, nesta terça-feira (10), um termo de cooperação técnica com a Polícia Civil, o Departamento Estadual de Trânsito (Detran/RN), a Corregedoria Geral de Justiça e o Ministério Público Estadual, com o objetivo de promover o esvaziamento dos pátios de carros apreendidos, dentro do projeto “Pátio Livre”.

A inciativa cria um conjunto de ações interinstitucionais para que os automóveis apreendidos pelas instituições permaneçam menos tempo nos pátios. “Esse convênio é importante no sentido de ter uma gestão sobre os veículos apreendidos pelos órgãos parceiros e essa gestão dar utilidade, ou através do uso ou através do leilão, desses veículos e limpar os pátios dessas instituições”, explicou o presidente do TJRN, desembargador João Rebouças.

“Essa parceria possibilitará que a legislação seja cumprida no sentido de que, após notificado, o proprietário do veículo que não aparecer para regularizar a situação do bem, terá o carro enviado para leilão, após a publicação de edital”, complementou a delegada geral da Polícia Civil, Ana Cláudia Saraiva.

O diretor do Detran, Jonielson de Oliveira, explicou que agora os usuários serão notificados e terão um prazo para retirar os automóveis. “Existem veículos com impedimentos judiciais e travavam esse tipo de alienação, agora com esse termo todos se comprometem a fazer com que esses processos tramitem de forma mais célere notificando aos usuários que seus veículos estão nos pátios e que ele terá um prezo de 60 dias para poder regularizar a situação, se não a resolução será cumprida e os veículos serão levados a leilão”.

A promotora de trânsito Maria Danielle Veras afirma que as instituições estão determinadas a promoverem um processo mais rápido para a retirada dos veículos que se encontram nos pátios. “Todo esse processo foi fruto de debates, discussões, reuniões efetivadas com todos os envolvidos e realmente estabeleceu essas regras e que vão promover uma maior facilidade desse trabalho”, disse a promotora. 

Questão de saúde 

Outro problema foi enfatizado pela procuradora geral de Justiça adjunta, Elaine Cardoso, que destacou que “existe um grande problema que está diretamente ligado aos pátios que é o da saúde pública, esses veículos estão amontoados há bastante tempo, começam a ter umidade, juntar água, favorecendo a proliferação de mosquitos que trazem doenças, então uma melhoria da utilização desses espaços e a adequação dessa destinação vai certamente facilitar a melhoria das condições de saúde da vizinhança e para aqueles que trabalham nesses espaços”.

Além do benefício para a saúde pública, o presidente do TJRN reiterou os esforços da atual gestão para a economia de dinheiro. “O tribunal paga o aluguel de dois imóveis [como depósitos], o que dá mais de R$ 60 mil ao mês. Então se não vamos ocupar vamos devolver esses imóveis alugados, o que será um lucro para o Tribunal de Justiça”, concluiu João Rebouças.

Informações TJRN

19/12/2019



Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support