CGJGO e Ejug promovem painel sobre conscientização ambiental atendendo a Meta 3

A conscientização acerca da responsabilidade socioambiental com a adoção de boas práticas e políticas de sustentabilidade que visem preservar o meio ambiente e melhorar o mundo à nossa volta. Esse foi o foco do painel “Comportamento Socioambiental Sustentável: da conscientização à ação”, promovido na tarde desta quinta-feira (17) pela Corregedoria-Geral da Justiça do Estado de Goiás em parceria com Escola Judicial de Goiás (Ejug), e transmitido por videoconferência com a utilização da plataforma “Zoom Meetings”. A iniciativa atende à Meta 3 do Plano de Gestão do biênio 2019/2021 da CGJGO, cuja finalidade é desenvolver três iniciativas estratégicas que resultem na conscientização socioambiental sustentável no âmbito da Corregedoria. A ação também está alinhada às diretrizes da Resolução nº 201, de 3 março de 2015, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que diz respeito à inclusão das práticas socioambientais nos Tribunais a fim de diminuir os impactos ambientais a partir da ação humana. 

O evento, restrito aos servidores da CGJGO, teve 61 participantes e foi organizado pela Diretoria de Planejamento e Programas. A explanação se dividiu em dois momentos: a apresentação do painel (com exposição de slides) e palestras ministradas por dois profissionais estudiosos e renomados: o psicólogo Lauro Eugênio Guimarães Nalini, mestre e doutor em Psicologia pela Universidade de Brasília (UNB), e da servidora do Poder Judiciário, Lúcia Viegas Fernandes, lotada na Divisão de Alocação e Atendimento ao Servidor (DAAS/DRH/TJGO) e doutoranda em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO); e o momento interativo para perguntas, dúvidas e esclarecimentos dos participantes.

No curso do painel foi debatido o desenvolvimento das relações e resultados advindos da conscientização e do comportamento socioambiental, possibilitando a identificação das ações advindas desta inteiração e entendendo o papel da Corregedoria no âmbito da evolução de iniciativas estratégicas para essa compreensão. Nas suas considerações iniciais, o doutor Lauro Eugênio agradeceu a deferência da equipe da Corregedoria e a parabenizou pela iniciativa, deixando abertura para qualquer esclarecimento dos servidores.

“Essa iniciativa é uma possibilidade de fazer chegar aos servidores do Judiciário e aos colaboradores da Justiça essas informações variadas a respeito das temáticas ambientais relevantes da contemporaneidade. Conhecimento nunca é pouco, devemos sempre estar dispostos a nos manter mais atualizados e qualificados, fazer um esforço educacional especialmente no que tange às questões socioambientais”, frisou.

Comportamento e consciência ambiental

Ao explicar a natureza conceitual do trabalho desenvolvido, Lauro Eugênio falou um pouco sobre o comportamento humano e como isso pode aumentar e afetar a consciência ambiental. “Não podemos nos restringir a ação dos indivíduos, independentemente da história de aprendizagem que os constituem, sendo as ações, considerada a história, o principal indicador da sua internalidade.. Aumentar a consciência ambiental é tarefa complexa, já que o que faz com que o indivíduo diga algo não é necessariamente o que faz com que ela tenha a ação propriamente dita”, ponderou.

Entusiasta da sustentabilidade e de tudo o que se refere a esse tema, Lúcia Viegas falou um pouco sobre a importância da Meta da CGJGO, a seu ver, uma ideia ousada, válida e ampla. “A relação entre as pessoas e o meio ambiente acaba impactando no dia a dia, tendo externalidades negativas. Ações de responsabilidade individual atingem o meio ambiente e a coletividade em suas diversas nuances”, explicou.

A estudiosa apontou estudos que mostram, por exemplo, que existe uma relação inversa de consciência ambiental e padrão de consumo. “Numa análise comportamental da consciência e padrão de consumo ficou demonstrado que um grupo com maior média de consciência ambiental foi o que teve também a maior média no padrão de consumo. As diferenças entre grupos referentes à consciência ambiental é menor que as diferenças entre padrão de consumo”, exemplificou.

Boas práticas e preocupação com o meio ambiente

Fizeram parte do painel temáticas como a responsabilidade na adoção de boas práticas ambientais que englobam medidas relativas a separação do lixo, com o intuito de reutilização e reciclagem, o que aumenta o tempo de vida dos aterros sanitários ou diminui o impacto ambiental, além de práticas ambientais implantadas que geram economia de matérias-primas (água e energia).

Participaram ainda do evento o juiz Donizete Martins de Oliveira, auxiliar da CGJGO; Rui Gama da Silva, secretário da CGJGO, que “quebrou” o protocolo para saudar os servidores presentes, agradecendo a participação maciça de todos; e Clécio Marquez, diretor de Planejamento e Programas da Corregedoria, que conduziu o evento.

Demonstrando preocupação com as políticas sustentáveis, a Corregedoria empreendeu todos os esforços para que este evento fosse realizado remotamente. O objetivo principal desta ação, além do cumprimento da Meta 3, foi a construção da relação entre consciência ambiental e consumo, para a viabilização de uma organização sustentável.

O link de acesso foi disponibilizado pelo Portal da Ejug, bem como a emissão das certificações também ficaram a cargo da escola, após quatro horas de participação no evento.

Fonte: CGJGO



Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support