Sem papel: 2ª Vara de Chapada dos Guimarães digitaliza 100% dos processos físicos

A Segunda Vara Cível da Comarca de Chapada dos Guimarães (a 60 km ao norte de Cuiabá) concluiu, em pouco mais de 40 dias, a digitalização de 1064 processos físicos e passa a trabalhar de forma mais célere e eficiente com todos os feitos em tramitação 100% digital e inseridos no sistema Apolo Eletrônico. 

Os trabalhos tiveram início no dia 10 de agosto e foram coordenados pelo juiz titular da 2ª Vara Ramon Fagundes Botelho, que destacou a concentração de esforços dos servidores e estagiários da unidade judiciária que se empenharam em tornar o estoque físico em digital. 

A partir de agora, segundo o magistrado, a força-tarefa será para realizar a migração para o sistema do processo Judicial Eletrônico (PJe). “Sabemos que o Tribunal de Justiça possui a política de migração para o sistema eletrônico. Optamos por digitalizar primeiramente todo o acervo e agora iniciaremos a migração para o PJe”, informa.

O juiz aponta os diversos benefícios da digitalização dos processos físicos para o público externo, além da economia, celeridade e transparência. “As vantagens do processo digital são enormes. Para o advogado é um ganho muito grande, pois geralmente atuam em várias comarcas.

Em Chapada dos Guimarães são muitos os advogados de Cuiabá então, a partir de agora não vão precisar mais se deslocar. Poderão acessar o processo de seu escritório, peticionar. Para a contagem de prazo, o processo em meio eletrônico é uma maravilha, pois ele tem andamento mais rápido”, comenta.

Os ganhos chegam também aos servidores, segundo conta o magistrado. “Agora eles não precisarão mais fazer as atividades manuais que requer um processo no papel, como numerar e furar páginas, carimbar folhas, o que demanda muito tempo. Pode-se canalizar a energia do servidor para outras tarefas para garantir o melhor andamento processual, por exemplo”, completa.

Em todo estado as ações voltadas para a digitalização do acervo de processos físicos se devem a uma das estratégias adotadas pela atual gestão do Poder Judiciário de Mato Grosso, sob a presidência do desembargador Carlos Alberto Alves da Rocha. Por meio da Portaria-Conjunta nº 371/2020, de 10 de junho, disciplinou a desmaterialização dos autos físicos e seu peticionamento no âmbito do Primeiro Grau de jurisdição para tornar a Justiça estadual totalmente digital.

Fonte: TJMT



Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support