Em tempos de pandemia, Juizados Especiais têm papel fundamental no acesso dos mais carentes à Justiça, afirma presidente do STJ na abertura do Webinário Fonaje – Goiânia 2020 nesta quinta-feira, 22

Em tempos de pandemia, Juizados Especiais têm papel fundamental no acesso dos mais carentes à Justiça, afirma presidente do STJ na abertura do Webinário Fonaje – Goiânia 2020 nesta quinta-feira, 22

Precursor da mediação e da conciliação, essencial instrumento pacificista dos conflitos pelo procedimento sumaríssimo, oral, simples, econômico e célere, o sistema dos Juizados Especiais abriu as portas para a inclusão social no País e, diante do cenário pandêmico, promoveu uma revolução no que se refere ao pleno acesso do cidadão à Justiça. Essa foi a mensagem transmitida na manhã desta quinta-feira (22) pelo ministro Humberto Martins, presidente do Superior Tribunal de Justiça STJ), na abertura do Webinário Fonaje – Goiânia 2020, promovido pela Corregedoria-Geral da Justiça do Estado de Goiás em parceria com o Tribunal de Justiça do Estado de Goiás e Escola Judicial de Goiás. 

Ao falar sobre a imensa satisfação de participar da solenidade de abertura na qualidade de presidente do STJ, Humberto Martins lembrou que o Webinário acontece justamente em 2020, data em que se comemora os 25 anos da Lei Federal nº 9.099, de 26 de setembro de 1995, a qual dispõe sobre os Juizados Especiais Cíveis e Criminais. “A edição dessa lei que rege os juizados revolucionou a forma de lidar com o sistema de conflitos, possibilitando o acesso direto da população à máquina judiciária e assegurando o exercício da cidadania, libertando-se das amarras conservadoras do Direito”, frisou.

Com o olhar sempre voltado aos mais humildes, os juizados especiais, segundo Humberto Martins, devem ser preservados na sua integridade tornando-se cada vez mais acessíveis aos jurisdicionados. O ministro deixou evidente a importância dos juizados especiais durante a pandemia da Covid-19 e enfatizou a decisão do Plenário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), de sua relatoria e enquanto corregedor nacional, que, em agosto deste ano, entendeu ser possível, no âmbito dos juizados especiais cíveis, o peticionamento do cidadão que possua certificado digital, sem a necessidade de participação de advogado.

“Recentemente o Plenário do CNJ assegurou ao cidadão não assistido por advogado o direito de peticionar no âmbito dos juizados. Essa é uma grande e real conquista e a verdadeira Justiça deve ser forte, célere e igualitária. Temos o dever de prestar o melhor serviço possível, de forma acessível, democrática e transparente, a todos que buscam o Judiciário. Por esse motivo, estou convicto de que este encontro digital alcançará o devido sucesso pelo alto nível de comprometimento e contribuirá para a consolidação de um Estado Democrático de Direito rápido, seguro e simples”, pontuou.

Em breves palavras, o desembargador Walter Carlos Lemes, presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás, que por anos atuou no 2º Juizado Especial Cível de Goiânia e é defensor desse método alternativo de solução de conflitos, o momento atual é de grande aprendizado. “Os Juizados Especiais oferecem ao cidadão que mais necessita uma Justiça rápida e digna, são, sem dúvida, primordiais para a sociedade. Desejo grande sucesso nesse evento, deixo meu abraço fraternal e espero que, futuramente, quando tudo isso passar, possamos nos encontrar pessoalmente”, saudou o desembargador.

Funcionalidade, proatividade e eficiência

Na sequência, o desembargador Gerson Santana Cintra, coordenador-geral do Sistema de Juizados Especiais no Estado de Goiás, representando na solenidade o corregedor-geral da Justiça do Estado de Goiás, desembargador Kisleu Dias Maciel Filho, cumprimentou todas as autoridades participantes, e reiterou a necessidade de tornar o sistema de primeiro grau mais funcional, proativo e eficaz. Sobre o Fonaje, o desembargador falou acerca da relevância das temáticas abordadas, das discussões e debates, encaminhamento de enunciados e moções, como também da difusão de boas práticas.

”Esse evento oferece subsídios aos magistrados que atuam nos Juizados Especiais e Turmas Recursais sobre assuntos relevantes e recorrentes. O Direito não é uma ciência exata, nem pétrea, portanto sua aplicação não obedece a critérios matemáticos. As leis jurídicas admitem diversas interpretações, divergentes, dependendo das circunstâncias vivenciadas pelo intérprete, que aumentam e se diversificam com a Lei 9.099/95, cuja premissa é a simplicidade, informalidade, economia processual e celeridade”, sustentou.

Na opinião do desembargador Gerson Cintra, o diferencial dos juizados está na simplicidade e no dinamismo para reduzir o tempo das demandas, já que foram criados para desburocratizar o acesso à Justiça e que com a situação pandêmica se destacaram pela alta produtividade. “Com a pandemia mundial, os conflitos sociais assumem uma nova roupagem, o distanciamento físico é necessário. Contudo, o Judiciário se reinventa num esforço contínuo e diário para entregar uma prestação jurisdicional efetiva. Nesse sentido, os juizados especiais tem uma relevância histórica, pois asseguram a quem mais precisa o pleno acesso à Justiça, mesmo no âmbito virtual”, afirmou.  

Para a desembargadora Janice Goulart Garcia Ubialli, presidente do Fonaje e integrante do Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina (TJSC), nem mesmo a pandemia da Covid-19 foi capaz de conter o constante avanço e o movimento dos Juizados Especiais em todo o País que, pela sua essência primordial afeta a simplicidade, celeridade e economia processual, propiciou aos jurisdicionados soluções que permitiram transpor os obstáculos impostos pelo distanciamento social e pela quarentena, aproximando ainda mais as partes pelo meio virtual.

“Este ano ficará marcado para sempre com a crise causada pelo novo coronavírus. No entanto, paralelos foram traçados neste período desafiador e os juizados especiais mostraram sua força ainda que diante de uma rotina completamente diferente do presencial, do tradicional a que estávamos acostumados, com salas de audiências vazias, máscaras que agora escondem nossos rostos, e utilização da tecnologia para permitir interação por meio dos encontros digitais. De forma vocacionada, os juizados conseguiram essa aproximação virtual entre as partes, priorizando seu dispositivo inaugural´ que é a conciliação ou a transação, adaptados para audiências por videoconferência e outros recursos tecnológicos de maneira simples e maleável”, ressaltou.

Conciliação on-line e visão futurista

Enfatizando que é preciso olhar para o futuro, a desembargadora falou sobre algumas alterações da Lei nº 9.099/95, especialmente a autorização da conciliação pela via não presencial. “Essa mudança se concretizou no momento oportuno, pois os juizados acentuaram ainda mais a oralidade, a simplicidade e a economia no momento pandêmico”, reiterou. Apesar de apontar os altos índices de conflitos solucionados por meio da conciliação nos juizados especiais, a desembargadora acredita que esses números podem ser otimizados com um esforço conjunto e concentrado.

“Tivemos aproximadamente 4 milhões de processos baixados via conciliação, mas isso ainda pode ser melhorado. As alternativas adotadas na pandemia trouxeram resultados muito significativos. A tendência para 2021 é que estejamos preparados para o uso de todas as técnicas virtuais. É tempo de reflexão e o consenso está presente não apenas no âmbito cível, mas no penal. Os olhares se voltam para o marcante espaço de negociação entre as partes para que nos aprofundemos ainda mais. Entre tantos outros desafios enfrentados a conciliação e transação penal devem ser o mote dos nossos juizados especiais. Temos a chance de extrair um resultado muito positivo desse momento difícil e colocar em prática toda a capacidade de adaptação que todos os atores envolvidos com esse sistema possuem”, acentuou.

De forma simples e informal, o juiz Aldo Guilherme Saad Sabino de Freitas, auxiliar da Corregedoria e um dos integrantes do Fórum Nacional dos Juizados Especiais (Fonaje), explicou o modelo do Webinar que acontece no ambiente digital e, a seu ver, é mais aconchegante, fácil e prático para todos os participantes. “Esse é o espírito do Fonaje que queremos: democrático, cordial, simples e de grande produção jurídica”, salientou.


Transmissão e descontração

O evento, de âmbito nacional foi conduzido por Clécio Marquez, diretor de Planejamento e Programas da CGJGO, e reúne magistrados dos Juizados Especiais e Turmas Recursais de todo o País. Pela primeira vez a transmissão ao vivo ocorre a partir de Goiânia pelo canal da Diretoria de Planejamento e Programas da Corregedoria, sob a coordenação geral do juiz Aldo Sabino. Os trabalhos também aconteceram por meio da plataforma Zoom Meetings

Com direito à trilha sonora animada ao vivo, o evento teve um momento especial que antecedeu a abertura com uma atração musical da grande cantora goiana e servidora do TJGO, Mara Cristina, que interpretou a canção “Quando eu quero mais eu vou pra Goiás”, da dupla Bruno e Marrone. Uma interpretação ímpar também foi dada ao Hino Nacional entoado pela cantora.

Compuseram a mesa diretiva os desembargadores Walter Carlos Lemes, presidente do TJGO, e Gerson Santana Cintra; Janice Goulart Garcia Ubialli, presidente do Fonaje; Soraya Nunes Lins, corregedora-geral da Justiça de Santa Catarina representando neste ato o desembargador José Ricardo Roesler, presidente do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, além do juízes Aldo Sabino, coordenador-geral do evento, e Patrícia Carrijo, presidente da Associação dos Magistrados do Estado de Goiás (Asmego). Esteve presente ainda Rui Gama da Silva, secretário-geral da CGJGO. 

Fonte: TJGO



Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support