85º ENCOGE: Cenário de pandemia exige colaboração direta entre juízes

85º ENCOGE: Cenário de pandemia exige colaboração direta entre juízes

O impacto da pandemia de Covid-19 no ambiente social, político e econômico na Justiça de 1º Grau foi abordado no painel “A atividade dos Juízes, Cooperação Judiciária e a Primeira Instância no Pós-Pandemia”, durante o 85º encontro do Colégio Permanente de Corregedores-Gerais de Justiça do Brasil (CCOGE), nesta quinta-feira, 25, transmitido pelo youtube da Corregedoria Geral da Justiça do Maranhão (CGJ-MA).

Na apresentação do painel, o desembargador federal Vladimir Passos de Freitas explicou as implicações desse impacto na estrutura e na organização judiciária e falou do cenário de incertezas em relação ao futuro. Anunciou possíveis mudanças e adaptações na rotina de trabalho da Justiça e na atividade judicante e lançou perguntas diante da complexidade da crise sanitária.

“No paradigma decisório, por exemplo, como ficam os direitos fundamentais, em crise, com as medidas de regulação e construção próprias da prevenção de combate à pandemia?”, questionou o palestrante. 

O desembargador disse que os magistrados brasileiros ainda estão em fase de adaptação, o que poderá afetar as rotinas judiciárias, os costumes, valores, ideias, formas de relacionamento e hierarquia. “Tudo isso passará por uma mudança incrível”, pontuou.

O desembargador mencionou, como exemplo, o artigo 35 da Lei Orgânica da Magistratura (LOMAN), de 1979, que exige residência do juiz na comarca onde atua. “Até onde isso será razoável se os juízes trabalharem online? E a liturgia, como será? Expressa ou tácita?”, pergunta. 

No que diz respeito ao “Princípio do Juiz Natural”, ressaltou haver uma tendência de julgamentos online e de competência estendida, já em prática no TRF da 4ª Região. No entendimento do magistrado, a Covid-19 traz novos paradigmas e a evolução do julgamento virtual e  necessidade de maior eficiência de verbas estimularão soluções antes impensáveis.

Quanto à estrutura e design dos tribunais, questiona se será justificada a existência de prédios como o do STJ em um mundo virtual, uma vez que muitos dos servidores vão trabalhar em casa e o número de salas de julgamento de audiências do primeiro grau tenderá a diminuir.  Informou, ainda, que a tendência é de que as unidades judiciárias possuam secretarias e cartórios únicos, não um por vara, como até hoje é, numa “prática colonial” que faz com que uma vara seja diferente de outras.

Para o desembargador federal, é tempo de mudança, com reflexos no orçamento do judiciário. Ele prevê que a estrutura administrativa deverá ser muito menor, com menos gastos com energia, água, limpeza, vigilância e diárias. “Na 5ª Região da Justiça Federal, estima-se uma economia entre 20 e 25 milhões no ano passado. Isso afetará os orçamentos e as verbas serão dirigidas para outras coisas, como capacitação, por exemplo”, pontuou. 

O magistrado disse acreditar que os magistrados necessitarão, sempre, de mais estrutura e do apoio de pessoas aptas e capacitadas, porque as ações no processo eletrônico são rápidas e a demanda é de milhares de processos, além de haver enormes problemas administrativos.

COOPERAÇÃO DIRETA

Diante desse cenário, aponta que a dimensão política e social do cargo implica a necessária cooperação direta entre os juízes, que se torna necessária, cada dia mais, facilitando soluções. No desempenho desse papel, afirma que o juiz de cooperação deve possuir o perfil de uma pessoa hábil, vocacionada, e manter relações institucionais – internas e externas -, interlocução com instituições e autoridades e domínio de idiomas. “Um verdadeiro diplomata do Judiciário”.

Nesse processo de mudança, diz ser preciso superar o “abismo” entre as gerações de magistrados e aproveitar a criatividade, as ideias inovadoras e a facilidade no uso da tecnologia pelos mais jovens na magistratura. 

Na avaliação do palestrante, a pandemia impulsionou algumas mudanças consideradas positivas: alvarás, ofícios e mandados foram substituídos por mensagens eletrônicas instantâneas na comunicação com o jurisdicionado. Por outro lado, nas audiências criminais, há dificuldade em garantir a incomunicabilidade das testemunhas. 

CENTROS DE INTELIGÊNCIA

Em relação às habilidades, ressalta,  são úteis no caso de identificação e prevenção de demandas de massa, com a utilização de  centros de inteligência, com o objetivo de identificar demandas com potencial repetitivo e atuar preventivamente, mediante articulação interinstitucional, com as entidades envolvidas no conflito, para resolver a questão na origem, antes da judicialização da ação. 

O desembargador informou que centros de inteligência como esses (já em operação no Estado do Maranhão), funcionam nos estados do Rio Grande do Norte, São Paulo, Minas Gerais, Ceará, Paraná e outros.

Mediador da palestra, o presidente do CCOGE, desembargador Paulo Velten, considerou que os centros de inteligência são uma experiência revolucionária, reformadora  e gratificante, que nasceu na Justiça Federal, mas têm servido à Justiça estadual, identificando, com rapidez e facilidade, as demandas, antes que resultem em processos.

“Sem dúvida alguma, estamos diante de uma nova ferramenta de administração judicial. O próprio CNJ a colocou, em uma Resolução nº 349/2020, que leva essa experiência da Justiça Federal para a Justiça dos estados”, declarou o corregedor maranhense.

Assessoria de Comunicação
Corregedoria Geral da Justiça
asscom_cgj@tjma.jus.br
asscomcgj@gmail.com



Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support